Sem categoria

330

Para algumas pessoas, a dificuldade em começar a praticar uma atividade física é simplesmente a parte mais complicada dessa jornada, muito mais do que adaptar-se aos exercícios ou entrar em forma em si. Esse pontapé inicial, que envolve reunir a motivação necessária, adequar horários e se convencer das benesses da prática, livrando-se de qualquer receio em relação à mesma – dos preconceitos bobos até mesmo preocupações sérias – geralmente é o que separa muita gente do caminho para o bem-estar, com as etapas posteriores sendo inacreditavelmente mais fáceis de serem superadas.

Entretanto, para quem já domou seu possível medo do exercício e se deu conta do bem que o mesmo faz, existe outra jornada também quase tão desafiadora quanto esta: convencer os demais membros da família dos benefícios da atividade física. Pode fazer o teste: pense em cinco pessoas próximas que realmente precisavam começar uma rotina de exercícios por algum motivo, seja para entrar em forma, lidar melhor com um problema de saúde ou até mesmo por pertencerem a algum grupo de risco para alguma condição hereditária, por exemplo. Imagino que conseguiu fazê-lo em poucos segundos, não?

Convencimento

É uma preocupação natural essa necessidade de dividir o estado de bem-estar alcançado pelo exercício. Além da escolha óbvia do companheiro ou companheira, geralmente a primeira “vítima” na campanha de convencimento de adoção da atividade física, outros membros familiares também são escolhas primordiais nesse quesito.

Os pais – e em alguns casos até mesmo os avós – geralmente são bastante visados, por conta de questões decorrentes do envelhecimento e das benesses que o exercício poderia contribuir. Do outro lado do espectro, os filhos também acabam sendo incluídos, para criar o hábito desde cedo e também espantar um pouco a condição sedentária que por vezes é sinal dessa nova geração que já nasceu conectada e tende a preferir outros hobbies ao exercício.

Já definido o nosso “público”, uma nova questão tem seu lugar: como funcionaria esse processo de convencimento? Há quem diga que começar uma mesma atividade em família possa ser um bom caminho, dado o incentivo coletivo proporcionado. É uma excelente solução, por sinal, mas mais uma questão se acumula: qual a melhor atividade para juntar tantos indivíduos em idades e condições diferentes? Uma boa resposta a isso poderia ser o Pilates.

Soluções

Apesar de diversas modalidades poderem se encaixar nesse perfil, como a caminhada ou academia, por exemplo, a sugestão do Pilates se dá pelo trabalho individualizado do mesmo, bem como pela troca de experiências e evolução notável proporcionada pelo mesmo, independente de condições anteriores e idade. É o tipo de atividade na qual o incentivo coletivo e até mesmo um professor em comum auxiliem bastante para a continuidade da prática. Caso esteja procurando uma “atividade em grupo” para sua família, ainda que feita de maneira individual, mas mantendo o interesse comum, o Pilates é bastante recomendado. Leve essa sugestão em consideração caso esteja justamente enfrentando um cenário como essa e não sabia como convencer seus familiares.

 

 

430
Pilates

Sejamos sinceros: para uma parcela considerável da população a expressão “exercício físico” por si só já carrega uma conotação sombria, negativa.  Seja por preguiça, por falta de vontade ou até mesmo um sedentarismo extremo, às vezes assumido com orgulho mesmo com os perigos para a saúde que isso representa, algumas pessoas simplesmente ficam apavoradas com a ideia de tentar movimentar-se e entrar em forma. Independente do motivo ou da convicção, uma razão em particular – também compartilhada por boa parte dos entusiastas do exercício – consegue ser um poderoso fator para afastá-las das práticas esportivas: o frio.

É só fazer o teste: basta anunciar entre os seus conhecidos, em uma conversa casual, que você começou a praticar uma atividade física ou entrou para a academia, de preferência de manhã ou à noite. Invariavelmente, alguém vai fazer a clássica e agourenta afirmação: “quero ver você continuar com isso no frio”. Tamanha é a mistura de sensações que essa aparente maldição provoca que algumas pessoas realmente se questionam se resistirão se exercitando quando chegarem às baixas temperaturas.

Opções

Pilates

Não é uma preocupação sem fundamento: tendemos a ficar mais recolhidos e ligeiramente mais desanimados para atividades durante o inverno. No caso de pessoas que já possuam certo desapreço pelo exercício em si, o frio é praticamente um convite a permanecer no sedentarismo. A solução para isso é justamente saber escolher a atividade certa para esse período.

Geralmente, atividades ao ar livre, como corridas e caminhadas, não são muito recomendadas caso a intenção seja a continuidade da mesma – principalmente se você está querendo começar a se exercitar. A natação, mesmo na variedade indoor e em piscinas aquecidas, também tende a afastar alguns potenciais atletas por conta de sua natureza aquática. Pensemos então em priorizar as atividades internas, em locais tidos como mais adequados para a estação. Para quem não gosta do ambiente das academias e também não pretende praticar algum esporte coletivo, a solução pode estar no Pilates.

Atividade para qualquer estação

pilates com bola

Sem contar com os já conhecidos e bastante divulgados benefícios do Pilates, a própria natureza do exercício favorece seu início e continuidade nos períodos de menor temperatura. Além de ser uma atividade indoor e individualizada, com um padrão de vestimenta que se adequa perfeitamente às estações do ano e que ainda por cima sendo uma prática mais localizada, é possível que o Pilates seja a opção ideal para o período para algumas pessoas.

Outro detalhe importante é o fato do exercício em si ser excelente para ajudar com as baixas temperaturas, tanto pelo condicionamento do corpo como pelo ânimo proporcionado pela atividade – além de compensar o fato de que as pessoas tendem a se alimentar com mais frequência nesses períodos, contribuindo para que alguns quilinhos extras apareçam. Faça o possível para espantar a preguiça e começar ou mesmo continuar seu aprimoramento físico durante o inverno, seja através do Pilates ou de outro exercício de sua preferência. Mesmo que pareça uma odisseia a princípio, seu corpo e sua saúde certamente se beneficiarão bastante por isso.

436

Com o mês de Dezembro marcando o recesso do trabalho/estudos, inicia-se o período de “promessas para o ano que vem”. Claro, muita gente já vem se programando há um tempinho, mas sempre tem aquela galera que começa a se organizar para começar Janeiro no ritmo de uma nova vida. E nem sempre conseguem.

A espiritualidade que envolve esta época do ano é, de fato, diferenciada, sem falar que não há melhor momento ao longo da temporada para se fazer projeções. Entretanto, você já deve ter ouvido aquele papo de que “meu corpo não obedece minha mente” e para evitar que esse tipo de situação se torne sua realidade, é fundamental fazer um planejamento que seja condizente com aquilo que você consegue cumprir. E pensando nas atividades físicas e tudo o que as envolve, o Pilates se configura como uma das melhores opções para iniciar este novo tempo e relacionamento com o seu bem-estar. Saiba como fazer para embalar em uma nova rotina de vida sem deixar que o desânimo venha te atrapalhar em 2016.

Mantendo os bons hábitos com a saúde

Em detalhes, pilateira praticando uma sessão de exercíciosSe você já sabe como é praticar exercícios físicos e executar uma boa dieta alimentícia, então tem ideia do que é estar em grande sintonia com o seu corpo. O Pilates é uma ginástica extremamente funcional, que está totalmente ligada aos benefícios que fazem a diferença para a performance do seu corpo no dia a dia.

O Pilates trabalha e estimula muito bem à disposição, o fortalecimento muscular, à coordenação motora, as articulações, à resistência, à respiração e uma série de outros aspectos que controlam o nosso corpo. E por isso, pratica-lo pode ser uma das melhores maneiras de para entrar (ou manter-se) em sintonia com o seu organismo. Para as pessoas que já praticam outras atividades regularmente, vale destacar que o Pilates não restringe o seu praticante de realizar outras dinâmicas, pelo contrário, ele deve ser pensado como um grande estimulador para melhorar o seu desempenho em todas elas.

Abandonando os vícios para uma nova realidade

Em detalhes, duas praticantes de pilates durante um exercícioComo de praxe, o fim de ano traz consigo a sina de começar a fazer aquela prática que antes não era realizada. E é preciso aproveitar esta empolgação e clima de mudanças, para largar o sedentarismo (claro, para aqueles que o tenham) e se ligar em tudo aquilo que pode ser feito em prol da sua saúde. Para pessoas que sofrem com vícios e péssimos hábitos, praticar Pilates é uma das melhores maneiras de substituir esses males e entrar para uma nova vida muito mais animada e revigorante.

Se a sua idade física não é um problema, mas já está se tornando um pouco mais experiente do que a faixa etária das pessoas, saiba que praticar essa ginástica será ainda mais importante para o bom funcionamento do seu corpo. Além de prevenir à osteoporose, o Pilates é um importante auxiliador para a melhora da qualidade do sono, da postura e também do emagrecimento (fatores que se tornam ainda mais importantes quando se atinge uma certa idade). Por isso, não deixe de conhece-lo e aproveite este final de ano para organizar todas as suas atividades como pilateiro em 2016.

723

Minha nossa, quantas mulheres perguntam isso… “Pilates emagrece?”. Dá a impressão de que a mulherada só se move quando precisa perder peso, não é? Pega até mal! Só vão à academia no fim do inverno, quando precisam perder o que os caldos das festas juninas lhes deram, porque, afinal, “projeto verão”, não é? Elas lotam os parques praticando as corridas que não praticavam há meses porque o ar estava muito frio e elas ficavam com preguiça de se exercitar ao ar livre. Não as culpo, é ruim, mesmo.

Mas voltando à questão inicial: pilates emagrece ou não? Se afinal de contas isso também, é um tipo de exercício, então provavelmente emagrece, não é? Além do mais, “minha vizinha perdeu quatro quilos em um mês depois que começou a fazer pilates”! Ora ora… então esse exercício aparentemente tão lento é eficiente mesmo em nos fazer perder peso! Ou não?

Devagar com o andor…

… porque esse santo aí tem um pouco de barro na composição.

atividades-de-pilatesNa verdade, o pilates não tem o poder emagrecedor do mix exercícios aeróbios + exercícios musculares. Quem o pratica, percebe claramente a diferença entre os exercícios de um tipo e de outro. Para começar, no pilates não se usa a repetição de vinte ou trinta vezes: na maioria dos exercícios, são apenas dez repetições. Outra diferença é que na musculação, aumenta-se a carga (o peso) quase que de semana em semana – já no pilates, pode-se passar até um mês ou mais sem alterar a dificuldade.

Na verdade, o pilates é procurado principalmente por quem precisa fazer exercícios sem impacto – na maioria das vezes, por recomendação médica. Os clientes em geral são pessoas com problemas articulares, cirurgias ortopédicas prévias, gestantes e pessoas com problemas musculares que precisam de exercícios extremamente controlados para não complicarem ainda mais sua condição. Mas eventualmente aparecem clientes sem problema algum, que apenas não apreciamos ambientes de academia.

Através dos movimentos controlados e das variadas séries de exercícios promovidas por esta modalidade, os indivíduos que têm algum problema entre os citados acima conseguem fortalecer as regiões afetadas e diminuir – ou até mesmo fazer regredir totalmente – este problema. As gestantes promovem o fortalecimento muscular do corpo inteiro, melhorando seu equilíbrio à medida em que a barriga cresce e se preparando para o parto (independente do tipo).

Mas emagrece ou não?

pilates-emagreceNa verdade, o pilates sozinho não tem a capacidade de emagrecer alguém. Entretanto, como os exercícios fortalecem até os grupos musculares mais profundos do corpo, o perfil do praticante “se afina” devido ao fortalecimento e reorganização interna das estruturas, dando a impressão de que eles emagreceram – mas na verdade, na balança provavelmente não haverá alteração.

Nos casos em que um emagrecimento real é notado provavelmente houve uma reeducação alimentar por parte do praticante, a qual pode ter contribuído para a perda de peso. Uma pessoa sedentária tem seu metabolismo acelerado pela simples prática do pilates (ainda que não muito expressivamente) e, assim, qualquer outra atitude concomitante pode fazer com que ela perca peso – além da renovação da disposição que a prática de qualquer modalidade esportiva pode produzir.

Portanto, o emagrecimento do pilates é muito, muito relativo. Ele sozinho não tem essa propriedade mas, se praticado em conjunto com outras medidas (academia, natação, dança, reeducação alimentar), pode se mostrar um grande aliado na luta contra a balança!