Pilates para toda a família

Pilates para toda a família

525

Para algumas pessoas, a dificuldade em começar a praticar uma atividade física é simplesmente a parte mais complicada dessa jornada, muito mais do que adaptar-se aos exercícios ou entrar em forma em si. Esse pontapé inicial, que envolve reunir a motivação necessária, adequar horários e se convencer das benesses da prática, livrando-se de qualquer receio em relação à mesma – dos preconceitos bobos até mesmo preocupações sérias – geralmente é o que separa muita gente do caminho para o bem-estar, com as etapas posteriores sendo inacreditavelmente mais fáceis de serem superadas.

Entretanto, para quem já domou seu possível medo do exercício e se deu conta do bem que o mesmo faz, existe outra jornada também quase tão desafiadora quanto esta: convencer os demais membros da família dos benefícios da atividade física. Pode fazer o teste: pense em cinco pessoas próximas que realmente precisavam começar uma rotina de exercícios por algum motivo, seja para entrar em forma, lidar melhor com um problema de saúde ou até mesmo por pertencerem a algum grupo de risco para alguma condição hereditária, por exemplo. Imagino que conseguiu fazê-lo em poucos segundos, não?

Convencimento

É uma preocupação natural essa necessidade de dividir o estado de bem-estar alcançado pelo exercício. Além da escolha óbvia do companheiro ou companheira, geralmente a primeira “vítima” na campanha de convencimento de adoção da atividade física, outros membros familiares também são escolhas primordiais nesse quesito.

Os pais – e em alguns casos até mesmo os avós – geralmente são bastante visados, por conta de questões decorrentes do envelhecimento e das benesses que o exercício poderia contribuir. Do outro lado do espectro, os filhos também acabam sendo incluídos, para criar o hábito desde cedo e também espantar um pouco a condição sedentária que por vezes é sinal dessa nova geração que já nasceu conectada e tende a preferir outros hobbies ao exercício.

Já definido o nosso “público”, uma nova questão tem seu lugar: como funcionaria esse processo de convencimento? Há quem diga que começar uma mesma atividade em família possa ser um bom caminho, dado o incentivo coletivo proporcionado. É uma excelente solução, por sinal, mas mais uma questão se acumula: qual a melhor atividade para juntar tantos indivíduos em idades e condições diferentes? Uma boa resposta a isso poderia ser o Pilates.

Soluções

Apesar de diversas modalidades poderem se encaixar nesse perfil, como a caminhada ou academia, por exemplo, a sugestão do Pilates se dá pelo trabalho individualizado do mesmo, bem como pela troca de experiências e evolução notável proporcionada pelo mesmo, independente de condições anteriores e idade. É o tipo de atividade na qual o incentivo coletivo e até mesmo um professor em comum auxiliem bastante para a continuidade da prática. Caso esteja procurando uma “atividade em grupo” para sua família, ainda que feita de maneira individual, mas mantendo o interesse comum, o Pilates é bastante recomendado. Leve essa sugestão em consideração caso esteja justamente enfrentando um cenário como essa e não sabia como convencer seus familiares.

 

 

Comentários no Facebook